07 fevereiro 2013

E UMA PALHINHA, POR FAVOR


Desta vez foi muito difícil escolher apenas duas das fotografias que tirei, pois desconfio que não deve haver animal mais fotogénico do que um esquilo!
Em Udaipur, no Rajastão, estes animais estão de tal modo adaptados à vida urbana que, mais do que a trepar, a clássica pose dos esquilos desde Tico e Teco, vemo-los a correr na posição horizontal, como se fossem minúsculos gatos domésticos. Apenas mais nervosos, pois desparecem ao mínimo ruído ou sobressalto do ambiente em volta.
Este, que vemos na fotografia, tinha como território o Rainbow, um café roof-top (como os há aos milhares na cidade) com uma localização fantástica, quase de tombadilho de barco, sobre o lago Pichola, e corria sobre as mesas, no chão, sobre as traves que sustentavam a cobertura da esplanada como se estivesse em sua casa, que acho que era do que se tratava.
Como todos os clientes lhe achavam imensa graça e atiravam pequeninos pedaços de comida, o bicho estava bem tratado e luzidio, mas, mesmo assim, mal uma mesa ficava vazia ei-lo a saltar elegantemente sobre ela, limpando-a completamente de migalhas, lambendo os deliciosos remanescentes de sumo ou de coca-cola que pudessem ter ficado numa palhinha esquecida.
Um aspecto interessante a referir é a atitude que a dona e os empregados do Rainbow tinham para com o bicho que é, aliás, a atitude que as pessoas, na Índia, têm, em geral, com os animais: absolutamente ninguém o incomodava no seu vai e vem, ninguém o sacudia nem sequer com um “fora daqui”. Não, o esquilo fazia tão parte da mobília como as mesas, as almofadas, os clientes ou a vista para o lago.
© Fotografias de Pedro Serrano, Udaipur, Índia, Janeiro 2013.