06 outubro 2018

DACHAU

Piemonte, Alpes italianos.
1.
Em Janeiro de 2016 fui levar o meu filho à Alemanha, país onde mora há meia dúzia de anos. Entrámos pelo sul, vindos da Itália, e o nosso destino era Berlim, mas fizemos uma paragem em Munique. No dia seguinte percorremos os poucos quilómetros que nos separavam de Dachau, onde está o que sobra do Campo de Concentração (CC), inaugurado, com direito a notícia num jornal, em 1933, e pensado inicialmente para opositores ao regime de Hitler. Dachau foi o primeiro CC estruturado e, sendo, à época, Himmler – o grande ideólogo dos CC e das estratégias de extermínio – director da polícia política de Munique, sob vários aspectos Dachau foi concebido como um campo modelo, o que, de facto, aconteceu, tendo os seus regulamentos servido de inspiração aos campos que entretanto foram criados dentro e fora da Alemanha. Sendo um Campo modelo, fazia parte da sua vocação ser mostrado ao exterior e duas das suas enfermarias, por exemplo, estavam dotadas do equipamento técnico necessário a produzir boa imagem nos visitantes: dois blocos operatórios modernos, aparelho de RX, electrocardiógrafo, médicos, enfermeiros. A propaganda foi sempre uma preocupação dos nazis ao longo de todo o seu reinado. Em Dachau todos esses aspectos relacionados com a imagem foram sendo aperfeiçoados ao pormenor nos primeiros cinco anos de funcionamento e até os detidos que os visitantes viam deambular pela parada eram cuidadosamente escolhidos no aspecto e treinados no que dizer caso fossem interpelados.
Em 1939 a Alemanha desencadeou a guerra, uma guerra longamente preparada e desejada, e Dachau (mais uma dezena de pequenos campos satélite das redondezas) tornou-se um entreposto de tortura, assassínio e experimentação médica, embora ali nunca tenham sido atingidos os níveis industriais de extermínio de campos como Auschwitz ou Treblinka, sabiamente empurrados para fora das fronteiras alemãs do III Reich.   
2.
Médicos descansam no regresso de Dachau, 1941.
Dachau dista 40 Km de Munique, é inverosímil que a capital da Baviera não soubesse o que ali se passava (seria semelhante a ter um CC em Vila Franca de Xira, e Lisboa ignorar que ali se desenvolviam actividades estranhas). Ah, sim, se o vento soprava de norte havia um fedor nauseabundo, um fumo espesso em permanência no céu. Ah sim, é certo que havia na grande cidade quem beneficiasse do trabalho doméstico, grátis, dos prisioneiros, quem os pedisse emprestados para a construção de casas a figuras do regime, devolvendo-os no final. Ah sim, os médicos que vinham doutros pontos da Alemanha ajudar à selecção dos aptos para trabalho ou para extermínio ficavam hospedados em hotéis de Munique, onde eram diariamente recolhidos por motoristas ao serviço do CC para aí serem, de novo, reconduzidos ao fim de uma árdua jornada de trabalho.
“Hoje seleccionei 1.200 detidos”, informava, por carta, um deles a mulher, deixando transparecer uma sensação de realização e dever cumprido.  
3.
Numa óptica médica, as relações entre o CC e a grande cidade eram intensas e o reitor da Universidade de Munique acumulava funções com as de responsável científico pelas experiências que, usando prisioneiros como cobaias, incidiam na investigação em malária, hepatite, cancro, medicina aeronáutica e novos medicamentos; ensaios conduzidos por médicos diplomados, especialistas,  universitários, e documentados com detalhe, fotografados ou filmados e dados a conhecer a um Himmler entusiasmado, que apoiou, louvou e condecorou os autores, nunca se inibindo, como era sua índole, de dar opiniões sobre qualquer assunto, fosse científico, jurídico ou logístico. Ao nível nacional, as relações médicas do CC estendiam-se ao prestigiado Instituto Robert Koch (de Berlim), que forneceu apoio em pessoal, ovos, sangue e mosquitos infectados, e, como é natural, à fogosa indústria farmacêutica alemã, a qual pôs ao dispor dos Campos drogas teoricamente promissoras. Preparando a colonização dos territórios conquistados, o III Reich precavia-se do paludismo, endémico em muitos deles, quer pelo desenvolvimento de novas terapêuticas quer pela procura de uma vacina. Igualmente, as autoridades nacionais viam como crucial o aprofundamento do conhecimento sobre a infecção de traumatismos e feridas de guerra, pelo que nada melhor do que recriar condições análogas em detidos, criando feridas e traumatismos artificiais pelo método de esmagar ossos à martelada, impedir cirurgicamente a vascularização muscular ou injectar pus nas veias dos detidos.
A indústria de guerra seguia, também, com atenção as experiências levadas a cabo em Dachau e outros CC, pois os ensinamentos colhidos reverteriam directamente a favor do esforço de guerra alemão. Por exemplo: à medida que o conflito evoluía, aumentava o número dos pilotos cujas aeronaves eram atingidas pelo inimigo e forçados a ejectar-se e a permanecer no mar por longos períodos, exposto ao frio, à fome e à sede. Assim, as experiências sobre ingestão de água do mar, levadas a cabo em detidos saudáveis, distribuídos cientificamente por grupos experimentais e grupos de controlo, eram classificadas como de alto interesse nacional.
Dos estudos levados a cabo em Dachau, alguns pré rotulados como “experiências terminais”, resultaram muitas centenas de mortos, pois nem todos aguentaram a submissão a condições extremas (simuladas em laboratório) de baixa temperatura e alta altitude; a ingestão de litros de água salgada como único alimento; a inoculação de produtos biológicos infectados ou o tratamento com quantidades tóxicas de drogas.
Apesar de tudo, estas mortes em nome da ciência e do triunfo militar, infligidas a pessoas categorizadas como sub-humanos, foram uma gota de água no universo dos milhares que em Dachau sucumbiram à subnutrição, às doenças endémicas (50 % dos detidos contraíam tuberculose), às epidemias (tifo e sarna, por exemplo); ou que foram flagelados até à morte, executados a tiro, gaseados e reduzidos a cinzas entre 1933 e 1945, ano em que o CC foi libertado pelos americanos a 29 Abril, um Domingo.
Dachau: Entrada do memorial do campo de concentração.
4.
Não é fácil dar com o local... Na pequenina cidade de Dachau, a uns três km do CC, as placas nada indicam. Há bombas de gasolina, hipermercados, cafés, casas bem conservadas; o esmero de uma terra germânica, cuidada e ordenada. Mas placas que indiquem como ir ter ao Campo... A páginas tantas, num letreiro que indica outros lugares, lá se descobre um KZ – o que pode ser abreviatura para Campo de Concentração, embora a mais comum seja KL (Konzentration Lager) – seguido da palavra “Memorial”, tudo apenas em alemão. Tão pouco evidente, que recorremos a GPS para chegar e, subitamente, mais rápido e próximo do que esperaríamos, deparámos com um placard e um local de estacionamento no que poderia bem ser o ambiente de um parque para picnics.
O coração aperta-se um pouco ao deixar a protecção do automóvel, ao pousarmos os pés na lama gelada: nevou, choveu, a manhã está desiludida, fria e cinzenta como convém a sítio destes. Mas, para além da placa que anuncia o Campo, continua sem se ver nada, somente árvores, arbustos, a água que brilha por entre o lamaçal, os pedaços branco-sujo de neve acumulada. Sob uma pequena ponte corre um riacho pouco profundo, de leito disciplinado e trajecto rectilíneo; constataremos que circunda o CC e que não é inocente esta esquadria: além dos muros e da vedação reforçada de arame farpado, uma das quais electrificada, era mais uma barreira a dificultar a fuga; sobrava-lhe ainda a vantagem de naquelas águas se poderem despejar cinzas comprometedoras.
Dachau: Reminiscência do ramal da linha de comboio.
De súbito, no chão, duas linhas paralelas orientam o olhar para um enorme portão de ferro; são os restos, quase estilizados, do ramal da linha de caminho de ferro que trazia os prisioneiros até à sua nova, e frequentemente última, morada.
5.
No interior do recinto – uma enormidade de mais de 500 metros de comprimento por 260 de largura – o que, absurdamente, mais me impressionou não foi o encontro com a câmara de gás ou os 5 fornos crematórios, foi, antes, os livros numa vitrina – sobras da pequena biblioteca que os prisioneiros (exceptuando os judeus) podiam requisitar –, livros que poderiam pertencer a estantes das nossas casas. De algum modo, estamos à espera que tudo no CC se refira a um tempo longínquo, que os livros tivessem capa de carneira e folhas pergaminhadas impressas com caracteres antigos, que o mal se passasse à luz de tochas... Mas não, aqueles livros poderiam estar na montra dum alfarrabista do nosso bairro e a iluminação dos pavilhões era feita com lâmpadas; pelo mundo havia telefones, aviões, submarinos, bomba atómica, jornais, Chanel, Burberry, Mercedes, BMW; o século XX ia na metade...
Deambula-se de pavilhão em pavilhão, imaginam-se três detidos por beliche, os uniformes miseráveis e grosseiros, a gamela, a caneca e a colher de alumínio da subnutrição premeditada; os magotes de retretes sem divisória ou privacidade; as mesas de tortura em madeira tosca, as portas blindadas e o pé-direito da câmara de gás (cientificamente baixo para que se gaste menos gás e a morte seja expedita); os fornos que lembram os de cozer pão; e o que mais fere e lateja no nosso entendimento é essa simplicidade e familiaridade de meios usados para rebentar os frágeis limites humanos. O segredo estava todo na imaginação de quem tinha o poder de vigiar os presos e muitos dos guardas eram escolhidos, numa lógica perversa de economia, entre criminosos comuns capturados e que eram deixados à solta na sua crueldade e sadismo. O Campo bastava-se a si próprio e, cada remessa que chegava, era recebida com um discurso esclarecedor, variando com o responsável, mas genericamente similar na esperança a estas palavras de boas-vindas que citamos: “Vocês não têm direitos, nem honra, nem defesa. São um monte de merda e serão tratados como tal.”
6.
Dachau: Alameda para a câmara de gás e fornos crematórios.
Dachau: Barrack X - Casa da câmara de gás e dos fornos crematórios.
Cá fora, ao encher o peito de alívio, numa curva do caminho, descobrimos que, longe dos barracões para não excitar o rebanho, a morada do gás e das chamas fica ao fim de uma alameda risonha e vicejante, e que a casa onde tudo tem lugar podia ser a da avó do Capuchinho Vermelho. Há até uns bucólicos bancos de jardim à sombra das paredes, como se nos pudéssemos sentar por ali em paz e tranquilidade. Tudo foi pensado ao pormenor e se, no resto do CC, o lema era despersonalizar, humilhar, reduzir a chama humana a um sopro, aqui o que se procura alcançar é precisamente o oposto: embalar e não alarmar as manadas que caminham para a morte ao ritmo possível de 150 convivas por sessão de câmara de gás, pois o pânico das multidões é árduo de controlar e produz desnecessários contratempos. Sim, estão sujos e irão tomar um banho – a água é calmante – e, para isso, precisam de despir a velha e encardida roupa, no final será distribuída roupa nova. Numa porta de metal está escrito Chuveiros e, lá dentro, parece um salão de banhos, com saídas de chuveiro no tecto baixo e o chão levemente inclinado para que a água conflua até ao centro e aos ralos que a escoam. E para que servirão aqueles janelos gradeados, quase ao nível do chão? Ah, isso já não vai interessar aos banhistas, que começam a estranhar o modo como estão a ser compactados naquele espaço de 40 metros quadrados... Dali a uns quinze minutos alguém vai espreitar por um desses janelos e ver se ainda há alguém em pé no interior ou se, como deve ser, resta apenas uma pira amontoada de corpos no chão. Do outro lado da câmara, mesmo em frente à porta de entrada, havia uma porta igual, estanque, de sólido metal, mas essa estava fechada quando entraram, empurrados pelo nu que entrava a seguir. Essa porta será aberta mal os vapores de ácido cianídrico do Zyklon B forem completamente aspirados pelos potentes exaustores disfarçados no tecto: do lado de lá da segunda porta aguardam quatro fornos crematórios, a carburar a todo o ímpeto. Funcionam a carvão, mas a gordura dos corpos ajuda também a que a combustão seja mais rápida. O calor é insuportável por ali e a actividade frenética. Queimar cento e cinquenta corpos e logo, meia hora depois, ter de lidar com mais cento e cinquenta tem que se lhe diga; um corpo humano dá uma trabalheira a eliminar e, ao contrário da alma, um simples fantasma, deixa rastos comprometedores...
Dachau: Porta da câmara de gás, identificada como "Chuveiros".
Dachau: Interior da câmara de gás (40 m2, capacidade 150 pessoas).
Dachau: 2 dos 5 fornos crematórios.
Mesmo por cima dos fornos crematórios, nas traves de madeira que sustentam o telhado,  ainda se notam uns ganchos de metal cravados na madeira. Ah! aquilo servia para enforcar alguns dos mais problemáticos e quando era intenção que percebessem onde iriam parar logo a seguir, mal o corpo deixasse de dançar na ponta da corda. É claro que os cadáveres se borravam todos, quem não se borraria só de olhar para aquilo, mas nada de grave: tudo seria submetido rapidamente à limpeza do fogo que bafejava por baixo.   
Dachau: Travejamento por cima dos fornos crematórios com ganchos para enforcamento.
7.
Amparado a uma parede, fixando os beliches sobrepostos até ao tecto de telha vã onde se amontoavam os detidos, um jovem de parka amarela chora convulsivamente. Quem chorará? Algum antepassado concreto ou será um choro abstracto, por todos os mortos, pelo mal à solta que lhe vai sendo demonstrado a cada metro que percorre?
Dachau: Dormitórios dos detidos.
Dachau: prato, colher e caneca em alumínio dos detidos.
Ao perceber que ainda não dei por acabada a minha volta, o meu filho diz que vai andando e me espera no carro. Andamos por ali há quase duas horas e quase não trocámos palavra. Por vezes, vemos o mesmo expositor juntos, outras vezes eu continuo e ele fica, ou vice versa, chego a olhá-lo através do vidro do um expositor onde me detive, ou vejo-o caminhar à minha frente por uma das áleas e, primitivamente, penso que não é bom sítio para se andar sozinho.
“Vou já lá ter, ainda queria dar uma espreitadela na loja...”
Perto da saída, como acontece em todos os museus, há uma lojinha, pequena, modesta. Dentro, há sobretudo publicações sobre o CC, alguns documentários; embora, quem preferir, possa comprar um magneto para recordar Dachau de cada vez que abre o frigorífico. Paguei o livro, a senhora atrás do balcão meteu-o num saco plástico. Perguntou:
“Ainda está a chover lá fora?”
“Pouco, mas ainda chove...”
“Então vou pôr outro saco, para proteger o seu livro.”
Dachau: porta de entrada da zona dos detidos.
Agradeci o cuidado, saí e passei o portão entreaberto onde, em avantajadas maiúsculas de ferro, se avisa: O TRABALHO LIBERTA. Ninguém tentou impedir-me.
Dachau: Cerca electificada.




Nota: A quem estiver interessado em aprofundar o assunto, recomendo o livro de Stanislav Zámecník That Was Dachau, editado pelo Comité International de Dachau (Brussels; 2003) e/ou o site www.comiteinternationaldachau.com



© Todas as fotografias (com a excepção da foto histórica dos médicos de Dachau, pertença do Bundesarchiv, B162, fotografia -00680) são da autoria de pedro serrano, Dachau, Alemanha, 2016.