20 novembro 2020

UM SONHO DE VACINA

Em Janeiro (se Vénus ajudar) teremos entre nós uma vacina anti-covid e, "lá para o Verão", (havendo alinhamento entre Andrómeda e Cassiopeia) uma parte "muito significativa" da população estará vacinada. Tudo isto foi garantido ontem (19 novembro), aos portugueses lá em casa, por Maga Temydo e pelo Professor Infar Medu, pois como a realidade é, actualmente, assaz sombria e ambos detestam assumi-lo, viram-se forçados a migrar para os domínios sonhadores da futurologia.

O Presidente da República, presente na feira de levante onde tudo se passou, ainda tentou que o alto responsável concretizasse um pouco, mas o homem não saía do registo de "segundo as melhores informações", "se tudo correr como o esperado", "se a agência europeia do medicamento...", um jardim de 'ses'. E uma grande alegria, convenhamos, uma enorme vontade, em ambos, de comunicar e gerar momentos de rara cumplicidade com os portugueses lá em casa, esgazeados de cor-de-rosa nos sofás.

Mas como iria a vacinação ser feita, insistia o Presidente, que, agarrando-se ao exemplo da vacina da gripe, elencava possíveis dificuldades, atrasos. Mas oh que porra de exemplo fora o mais alto magistrado da Nação desenterrar! A gripe?! Então o Ministério tinha andado a convencer toda a gente a vacinar-se, mas, depois, houve aquele atraso na encomenda de vacinas [revejam-se notícias de Junho de 2020] e elas não chegaram, nem nada que se parecesse, para a procura... Uma maçada, um fiasco, e o Presidente ia logo escolher aquele caso isolado infeliz? Bem, mas aquele, não podia o Professor Medu contrariar e, sintonizado num inabalável sorriso, lá foi largando a sua cortina de fumo: pois, ainda não se sabia muito bem, era uma matéria que a Comissão (recém-formada) iria estudar, baseada nas melhores informações; talvez a vacinação fosse em massa ou, então, em campanha... Será que o Professor quereria significar Campanhã (pois, a Norte, as coisas estão mais assanhadas do que em Santa Apolónia) e, em vez disso, pronunciou campanha? Nunca o saberemos, com as profecias há sempre incerteza.

O que sabemos, de fonte segura, é que nenhuma das cinco potenciais vacinas mais adiantadas foram ainda aprovadas e todo o assunto se transformou numa guerra comercial de quem chega primeiro aos escaparates. E mesmo se não vier a chegar primeiro, as acções da Pfizer já subiram por aí acima. Se bem se recordam, há ainda escassos dias a farmacêutica americana fixava a eficácia da sua vacina nos 90 %. Mas logo apareceu a Moderna a publicitar que o seu produto ia aos 94,5 % e a Pfizer  apressou-se a comunicar que, afinal, a eficácia do seu produto era de 95 % e, mais, que não tinha efeitos secundários, algo que, com honestidade, não se poderá afirmar a não ser quando a vacina já estiver em distribuição, um número significativo de pessoas estiver vacinada, passar o tempo suficiente (meses ou anos) e forem reportados esses efeitos! Resumindo: já está tudo a postos para vender um produto sobre o qual não há resultados definitivos publicados e que não passou pela etapa fundamental de ver esses resultados (e método para lá chegar) avaliados e sancionados pela comunidade científica internacional. Todo o processo ronda a publicidade enganosa ("esta é boa para velhinhos", gritam outros) e a falta de ética profissional, que a ciência costumava praticar. Entretanto, mais atrasados estão a Astra Zeneca-Oxford (que aparentam ser mais sérios na condução do processo), os russos, que olham para a vacina como para um foguete, e os chineses, atarefados a conseguir duas variantes à vacina: uma com sabor a molho de ostra e outra, especial para vegetarianos, com pedaços de bambu.

Voltando ao nosso fumeiro: nem Maga Temydo nem o Professor Infar Medu nos explicaram algumas coisas fundamentais e que, para quem anunciou a vacina para daqui a mês e meio, já deviam saber ou, pelo menos, ter equacionado com clareza e detalhe:


a) Que vacinas irá Portugal receber neste princípio de Janeiro, segundo Themydo, e "eventualmente em Janeiro", segundo Medu? A da Pfizer ou a da Moderna (uma vez que as outras ainda estão no limbo). Se for a da Pfizer, como tenciona o Ministério da Saúde resolver o gigantesco problema levantado pela necessidade de conservação a 70 graus negativos, requisito que irá implicar a aquisição e montagem de uma complexa rede de frio? Irá ser necessário, sempre assegurando aquela temperatura, levar do aeroporto até algum armazém central as embalagens contendo as vacinas. Daí, terão de ser transportadas (em camiões que cumpram as condições térmicas extremas) até aos, digamos, armazéns das 5 regiões de saúde (Porto, Coimbra, Lisboa, Évora, Faro), armazéns que deverão, igualmente, garantir os tais menos 70 graus e, daí, terão de seguir ainda para cada centro de saúde, unidade de saúde familiar ou farmácia, locais onde as vacinas são habitualmente administradas. Tudo isto sempre a menos 70 graus, para garantir a estabilidade e a eficácia da vacina, sabendo nós que em países como o Japão, por exemplo, não existe actualmente um único equipamento que garanta tal requisito térmico. Ou tenciona Portugal levar a Lisboa todos os portugueses ao aeroporto para que sejam vacinados nas escadas do avião de carga? Ou desenrascar a coisa caseiramente com recurso a sacos térmicos do Continente, malas de esferovite do Pingo Doce, ou sacos de gelo das bombas de gasolina? Ah, senhores do Ministério, não esqueçam que, em tudo isto, terão ainda de pensar num arquipélago com 9 ilhas (Açores) e num outro com 2 (Madeira).

b) Outro aspecto sobre o qual me interrogo e, penso, como eu dez outros milhões de chatos. Quantas vacinas nos vão chegar em Janeiro? E de quem partiu a iniciativa da encomenda? Escolhemos e pagamos nós o que consideramos mais efectivo, ou é uma daquelas benesses da UE, em que nos arriscamos a ficar para o fim e com o que sobrar? 

Em relação à vacina da Pfizer, pelo menos essa, a quantidade que nos chegar terá sempre de ser dividida por 2, pois a vacinação completa de cada pessoa exige duas doses, intervaladas cerca de três semanas (outra dor de cabeça logística, como tão bem sabem os serviços locais de saúde pública e as enfermeiras da vacinação). Seja-me permitido um pequeno exercício prático: se as primeiras pessoas a vacinar forem os profissionais de saúde (como deveria acontecer, pois é fundamental garantir, desde logo, que continuam em bom estado de saúde para poder tratar o resto do país), isso exigirá cerca de 300.000 doses de vacina. Ou seja: tranches inferiores a cinco ou seis centenas de milhares para pouco irão servir ou, na melhor das hipóteses, atrasarão o processo e darão cabo do prazo que nos garantiu o professor Medu (será que o homem se referia ao Verão de 2022?).

Várias destas dúvidas, e problemas a resolver, deveriam ter sido postos sobre a mesa da tal sessão de que tenho vindo a ocupar-me. Mas que nada: o que mais lhes interessa é manter as constelações alinhadas e as estrelas a brilhar. Foi constituída, já está nomeada, uma Comissão dedicada exclusivamente à vacinação Covid, revelou o Professor Medu com um brilhozinho de zelo nos olhos. Fui ver... Sim, lá está, uma série de gente da mais diversa proveniência, onde estranhei não ver a presença de um único médico especialista em Saúde Pública, daqueles que, em todo o mundo, são responsáveis nesta área desde que existem vacinas e programas de imunização. Em Portugal são mesmo os serviços de Saúde Pública que, por lei, são responsáveis a nível local (nível em que as vacinas são inoculadas nas pessoas) por todo o processo de planeamento, vigilância e avaliação desta actividade. Mas, no mundo das aparências, o pormenor não sobressai: espera-se desses médicos e enfermeiros que, e como foi dito por um alto especialista na tal feira de levante, "depois colaborem". Entretanto, enquanto não são convocados a colaborar, são mantidos entretidos com inquéritos epidemiológicos e rastreios de contactos (esses, sim, em massa) que já não servem para quase nada, dado que numa fase de disseminação comunitária, como aquela em que estamos, qualquer um pode ser suspeito de poder infectar outro e os surtos já não se conseguem individualizar, já pouco interessa saber quem infectou quem enquanto não voltarmos a um número de casos razoável.

Mas não desesperemos. Ouve-se que aqueles que zelam por nós não dormem! Maga Temydo foi vista no aeroporto, sobraçando uma tripeça, e fontes, que pediram para não ser identificadas, garantem ter ido até à Furna do Enxofre, nos Açores vulcânicos, para aí instalar o seu banquinho e, inspirada nas emanações sulfúricas, produzir cruciais profecias sobre a pandemia. Quanto ao Professor Medu, esse também não cochila em serviço, e ter-se-á sujeitado a um boost intensivo da totalidade dos episódios da série Sim, Senhor Ministro. Por tudo isto, caros leitores, tenhamos fé e Viva Portugal!

 

Nota: a primeira imagem é fragmento da capa do álbum One Size Fits All, de Frank Zappa, 1975

 

 

 

17 novembro 2020

UMA LOURA EM APUROS

O gráfico da DGS mostra o número de mortes, por todas as causas e por mil habitantes, referido a Portugal e actualizado a 17 novembro. A mancha mais espessa (castanha) representa, para os meses do ano de Janeiro a Dezembro de 2020, essa tendência nos últimos dez anos (2009-2019), e a linha azul as mortes que o país sofreu desde Janeiro até agora. Uma montanha russa em ascensão ou, antes, uma montanha ibérica, pois se formos comparar, por exemplo, com as mesmíssimas curvas dos países nórdicos, nada disto sucede, sofrem de uma curva tranquila, sem cumes ou aflições especiais. O que nos estará a acontecer, a nós, que entramos no final do outono e nem sequer a gripe ou o frio a sério ainda começaram? Será o Covid? Será quem fica por diagnosticar, por outras doenças e tratar, por causa do Covid? Neve não é certamente e a chuva não bate assim...

Claro que, por cá, a DGS diz que esta mortalidade está "dentro do esperado" (é o que diz sistematicamente) e a nossa loura da Saúde, e os seus anões, evitam comentar ou extrair ilações práticas que resultem em medidas concretas ou alimentem o planeamento do futuro, sempre com medo que apontem o dedo ao ministério, preferindo entreter-se a intoxicar os portugueses com granel: que o refeitório de um determinado hospital vai ser transformado em pavilhão de cuidados intensivos (em fundo a imagem de um senhor num escadote, a martelar um prego pachorrentamente); que quatro doentes foram transferidos do Norte para Lisboa, como se nos resumisse um movimento de jogo num campeonato de damas (em imagem de fundo, o secretário de estado jura que o SNS é flexível como uma trapezista e tem virtualidades insuspeitas, como um canivete Suíço). Mas será que um ministro não tem mais para comunicar do que o rol da lavandaria?,

Ontem, perante a realidade que tudo varre à frente, a senhora, por entre dentes, lá teve de confessar [telejornal SIC] que o tal sistema flexível, que acomodaria tudo quanto aparecesse, afinal "por muito que façamos não há sistemas totalmente inlásticos", e apertou tanto os dentes e torceu tanto a língua que justapôs a  elásticos um prefixo que não era o para ali chamado; de facto o que estava a ser obrigada a admitir é que a flexibilidade já era, mas isso, como admitir as vantagens do uso de máscaras, custa, custa! Custa-lhe, pois depois as TV vão buscar imagens de declarações anteriores, vem aquele Polígrafo, que devia ser proibido! 

Neste era-e-não-era, passou-se algo de semelhante no episódio do recurso aos serviços de saúde privados para ajudar na pandemia. Ainda há quinze dias ela dizia (e se insinuava através do inefável, inalterável e inamovível presidente do conselho de administração da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, agora refém dos militares), dizia, zangada e cheia de razões, que privados nem pensar, pois andavam a tentar parasitar o SNS, etc. Pois, talvez, mas a realidade é a realidade, e é missão de um Ministro antevê-la, navegar por ela e pelos seus escolhos, pois o vírus nem pestaneja com os amuos, ideológicos ou outros. Resultado: lá teve de ir negociar com os privados, inferiorizada pela atitude anterior, aceitando condições que, duas semanas atrás, poderiam ter sido mais macias para o orçamento do erário público. É o que sucede quando se anda a reboque, que é como parece mover-se o Ministério, a reboque do que já aconteceu, do que se diz, a cheirar a cauda a comentários, aflito com as cólicas de pressões avulsas - sem nada para mostrar que corresponda, minimamente, a um planeamento estratégico. 

(Vai formosa e não segura).

Teremos, dizem a cada telejornal, mais não sei quantas camas de cuidados intensivos até ao fim do ano: foi para Diário da República, estão a ser feitas obras, mas acontece que o desastre é agora, não é no fim do ano. E se, no meio do caos, alguém pensou e tentou prever, antecipar medidas fora-da-caixa (como é o caso de alguns hospitais ou de algumas autarquias) lá vai chicotada, lembretes de hierarquias, bloqueios na comunicação e nas finanças, remexidos na bancada. Se é com isto que pretendem enfrentar um vírus que, enquanto esbracejávamos, se aperfeiçoou na capacidade de ataque, estamos fritos. 

 

Nota: Quanto às vacinas, não vamos longe com esta - a da Pfizer - que necessita de frigoríficos a 70 graus negativos para a conservar (o congelador de um frigorífico caseiro anda pelos 4 a 5 graus negativos e as arcas congeladoras pelos 18 a 30 negativos). Com arcas a menos 70, em Portugal, apenas dois ou três serviços centrais (se tanto), muito especializados e longínquos da vocação da prestação de cuidados de saúde. A assim ser, a vacina anunciada será pouco mais do que um feito teórico, pois a rede de frio que implica até chegar às pessoas, as que têm de ser vacinadas, é tremenda, praticamente impossível de obter tecnicamente ou a preço incomportável para uma aplicação maciça. É a diferença entre eficácia (pelos vistos a vacina é 90 % eficaz, o que é muito bom) e exequibilidade (é muito boa, mas se não se consegue chegar lá, como as uvas da fábula da raposa).  

 

09 novembro 2020

A FUGA DO PAI NATAL

Coitado do Gerónimo de Sousa. Será que ninguém, lá em casa, lhe poderia dizer que, enfim, não existe Pai Natal, e, portanto, arredá-lo um pouco da boca de cena e das luzes? Suponho que não, afinal, por ali, vive-se naquele ambiente de quimera, do vermelho e das renas voadoras, é um pouco como se fosse um gueto no Polo Norte. Mas, insisto, alguém lhe deveria dizer que, enfim, todas estas medidas anti-Covid19 ultrapassam as miríficas liberdades, que ele gosta de supor e menos de praticar, que são mesmo necessárias, e não se compadecem com organizações e princípios organizativos, nomeadamente com um Congresso que ele vai ter daqui a uns dias. 

Houve uma falha na Natureza e, por ela, entrou alguma coisa que, embora invisível, é, portanto, mais forte do que tudo o resto, varre tudo o resto, e que, enfim, em boa verdade, ninguém lhe quer fechar os brinquedos no armário ou chamar de volta o papão antigo. Ninguém está interessado nisso, ninguém tem tempo para isso.  Explicar-lhe, também, que, enfim, não é somente com reforços no Serviço Nacional de Saúde que se resolve isto, de algum modo isto não tem a resolução clara e simples com que ele sonha, se ele mandasse, e, coitado, o seu querido Serviço Nacional (o alfinete de peito que restou das conquistas de Abril) está escavacado de todo - como se tem assistido nestes últimos anos e particularmente por estes dias - e que para isso ajudaram bastante alguns daqueles que, ar grave e digno, se aprestam agora a assinar cartas-abertas, a pagar pelo destinatário, e a propor cuidados-intensivos que o ressuscitem, mas que, enfim, praticaram absolutamente o inverso quando estavam por lá sentados e, conscienciosamente, fizeram do SNS uma coisa para adultos, baseada no sólido princípio "se quer receber pague, se não puder pagar fique a assistir", pode ser que chegue a sua vez, uma vez que os impostos só pagam a máquina das senhas.


Pobre Gerónimo, apertou-se-me o coração de o ver ali, visceralmente incapaz de recorrer à manha e à banha de um Ventura, perseguido por câmaras e microfones, aflito, sem perceber, portanto, o mundo em que se move e o que lhe está a acontecer, balbuciando em torno de teorias de conspiração e almejando bravatas que já não consegue inspirar. No fundo, no fundo, enfim, isto do vírus, ele sempre desconfiou que poderia haver ali outra coisa mais sinistra. Entre as máscaras, o gel e, portanto, a democracia, o seu coração balança, sempre balançou. E o pobre homem ali fica, na boca de cena, confuso, pasmando para uma hipotética democracia interrompida, fazendo lembrar o velho palhaço-pobre, que, sob um candeeiro de iluminação pública, no chão pisoteado da tenda já levantada, não se apercebeu que as roulottes e as autocaravanas já seguem estrada fora e ele ficou ali, sozinho, portanto esquecido, recortado na noite que arrefeceu.  

05 novembro 2020

O CAOS EM DESORDEM

Quando for rico vou querer contratar o secretário de estado da saúde Sales para vir tratar-me das nódoas difíceis, como aquelas que resultam de nos esquecermos do avental e do azeite de fritar a entremeada nos saltar para a caxemira. Não me digam que o perderam ontem (vale a pena) nas famosas conferências de imprensa enlatadas, a jurar que afinal os 7.500 casos de Covid19 do dia não eram, afinal, tantos, pois alguém, malvado, se esqueceu de comunicar os casos de outros dias e eles em Lisboa sem saber de nada, que nunca ninguém lhe diz nada, coitados. Assim, para o sossego de todos, aquela barbaridade de casos deverá ser distribuída em suaves prestações. Encostei-me logo para trás no sofá, a mão no balde de pipocas e os olhos no LCD, morto por mais ansiolítico. E ele diz logo que o índice de contágio está a diminuir a olhos vistos no país, até no Norte, esse pequeno Huan português. Olhei de lado, mirei a Francelina com orgulho, como quem diz: "Assim vale a pena ser governado, com esta limpeza, sem necessidade de recolher obrigatório, sem assentos vagos nos aviões, sem restringir liberdades..." 

Em seguida o nosso homem desaparece do ecrã, o telejornal continua e a desgraça abate-se aos nossos olhos, mas isso (até desabafei com a Francelina) deve ser pelos mesmos motivos que o Trump se queixa tanto dos órgãos noticiosos, é tudo shaike news para nos desestabilizar a digestão ou, dando desconto, serão fenómenos episódicos, esporádicos, residuais, que o país recomenda-se, apesar de os Lares parecerem Peta-Zetas, de os hospitais rebentarem pelas costuras, de os casos de internamento por Covid aumentarem, de os doentes em cuidados intensivos aumentarem, de o número de consultas por Covid estar a aumentar em grande nos Cuidados de Saúde Primários, do número de pneumonias a crescer, do número de morte em geral sobe-sobe-balão-sobe.

E depois - tudo num mesmo telejornal - trazem o bolo com a granada em cima: os militares invadiram a Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo, fardados e tudo, e vão passar a ser eles a tratar de distribuir os internamentos por Covid na dezena e meia de hospitais da região (4 milhões de habitantes), pois, pelos vistos, o Ministério da Saúde não consegue fazer isto. 

"Roger. Código Cravinho: Doente de Beatriz Ângelo para Médio Tejo. Afirmativo."

"Roger, contrassenha Noz Moscada. Negativo: Médio Tejo kapute. Alternativa Hospital Mealhada. Roger."

"Roger. Noz Moscada no canal. Negativo: Mealhada Área 2, fora área: Zona Centro não aceita doentes Área 1. Roger.

"Roger, Cravinho. Vamos levar assunto a reunião bipartida Defesa-Saúde. Doente que aguarde. Roger.

Os meus olhos não queriam acreditar no certificado de incapacidade a que estava a assistir. Não que não veja as Forças Armadas a participar numa pandemia, sei que são importantes, mas em fases tão específicas, e algumas delas tão assustadoras, que nem quero estar aqui a falar delas (procurem nos manuais de controlo de epidemias). Mas para planear o uso de camas hospitalares?! Tornarem-se os militares indispensáveis para dizer aos órgãos responsáveis por planear e decidir sobre isso mesmo (está na Missão estatutária das ARS, aprovada por lei) quantas vagas existem nos hospitais sob sua responsabilidade e virem explicar como se resolve o problema de um internamento quando não existe vaga num sítio mas pode existir no outro ao lado?! Meu Deus, é pior ainda do que eu imaginava. Há muitos anos que não é novidade para quem andou por lá que o Ministério da Saúde não tem nenhum órgão sério de Planeamento em Saúde e que tem resistido a todas as tentativas para o criar e desenvolver, embora tenha boa prata da casa para tratar disso. 

Mas isto? É o caos em desordem e iremos pagá-lo caro.