14 julho 2011

TAKE 5

Take 1
 Difícil,
 Quando ela passa 
 (Macio brilho de cal)
 Na minha fremente taça
 Alinhar todas as bolhas 
 Em coerência vertical.


Take 2
 Um míssil,
 Quando doseia 
 (Mortífera teia)
 O visco insistente
 De um olhar aderente
 Deflagrado na horizontal.


Take 3
 Combustível,
 A suavidade triste
 Cor velha de whisky 
 Nesse olhar partido
 De anjo caído.


Take 4
 Temível
 Postigo de ventura
 Na frágil ternura
 Do seu ombro ao léu
 (Desabado chapéu).


 Take 5
 E se afinal me tramas
 Ao assim pestanejares
 Que, oh sim, me amas...
 A culpa é toda tua e, 
 Na copa dos manjares,
 Vomitarei à lua.


© Fotografia de pedro serrano, S. Tomé e Príncipe, 2010.