16 setembro 2010

APIMENTADO

Desta vez a culpa foi sua, admita, desta vez não o vai poder acusar.
Da outra vez, quando lhe pediu para procurar na net como estaria o tempo na semana seguinte, ele estava a ver o Sport TV e, praticamente, ignorou o seu pedido, fez a consulta às três pancadas, a previsão que lhe comunicou não foi a do Porto, era a de Porto Rico… E lá se foi o picnic, você com aqueles pimentos todos comprados! Lindos, dos vermelhos, dos verdes...
Desta vez, porém, não tem por onde fugir. Primeiro, aproveitou a nesga em que a sua sogra iria passar uns dias a Porto Santo, com a tia Fani, e marcou o barbecue para esse fim de semana, assim ninguém a poderia acusar de nada, pelo menos directamente. Mas quando, na sequência do agravar da tendinite da tia Fani, a viagem se gorou e você desatou a telefonar aos amigos a avisar que, afinal, ela iria estar presente... Resultado: apareceu metade da gente convidada, o seu marido ficou possesso, tem o frigorífico invadido por pimentos: vermelhos, verdes e daqueles cor de laranja, lindérrimos, que agora se fazem. 
“O que vou fazer àquilo...”, pensa, desesperada, enquanto avança pelo corredor em direcção ao confronto final, “como podem três pessoas [a sua sogra ficou para passar uns dias] despachar tanto pimento antes que apodreça?!”
Nunu, Inês, Susana e Gabi.
Prezada amiga, concentre a sua energia em inventar as explicações que vai dar ao homem que, amuado e de pijama, a espera do outro lado da porta e deixe os pimentos por minha conta!
A receita, aprendi-a com a enfermeira Odete que, há muito anos atrás, vivia no terceiro andar em frente ao meu numa vila de Trás-os-Montes. Culinariamente falando, aprendi duas coisas com a enfermeira Odete: a salada de pimentos e o modo de manter o café em pó sempre fresco, introduzindo um rabo de bacalhau (seco) no frasco onde se guarda o pó. Pela salada de pimentos respondo eu, pelo rabo de bacalhau que responda ela; pode ser que sim, mas a ideia, só de a pensar, arrepia.
Aqui fica a receita da salada de pimentos. A autoria deve ser endossada à enfermeira Odete embora, com o passar do tempo e a experimentação, eu lhe tenha introduzido umas pequenas variações.



SALADA DE PIMENTOS

Ingredientes:
Pimentos (nunca menos de 3, de outro modo o investimento é pouco lucrativo)
Sal (grosso)
Azeite
Vinagre
Whisky 
Dentes de alho
Folhas de louro
Pimenta
Nota: Use bons ingredientes, não parta do princípio que por ser uma saladita um qualquer whisky rafeiro servirá ou um qualquer ácido acético, em vez de vinagre, enganará o paladar. Metade, ou mais, do segredo de toda a culinária está nos bons ingredientes. Costumo usar Bushmills (10 anos) como whisky, um bom vinagre de arroz ou figo e um azeite de baixa acidez. Quanto à pimenta, opte por uma (prefiro a negra ou uma combinação de negra+rosa) moída na altura.

Confecção:
Ponha os pimentos a assar sem nenhuma espécie de gordura. Pode optar por dar um corte em cada um deles e em deitar um pouco de whisky no seu interior antes de os levar à grelha. Querem-se bem assados.
Enquanto espera, vá preparando numa terrina de porcelana (evite os plásticos) a seguinte marinada: 
Deite, primeiro, uma generosa quantidade de azeite e depois o vinagre. Não use demasiado vinagre à partida, é preferível ir provando e acrescentando. Proceda do mesmo modo com o sal. Descasque vários dentes de alho (pelo menos 4, tamanho médio), esmague-os e acrescente-os à mistura. Vá mexendo com uma colher de pau. Prove a mistura, corrija o sal.
Misture o whisky. Aconselho 1 a 2 colheres de sopa, dependendo da quantidade de pimentos que está a assar. Não se quer um sabor demasiado intenso a álcool, de preferência esse sabor nem deverá ser identificado como sabor autónomo. Mexa, prove a mistura e corrija o sabor com mais vinagre, se necessário, ou com mais azeite.
Corte duas folhas de louro, secas, de tamanho médio, em pequenos farrapos e acrescente à mistura. Tempere com a pimenta acabada de moer. Mexa a mistura durante uns minutos até que fique homogénea. Prove e, se lhe souber bem, considere-a pronta.
A quantificação dos ingredientes é difícil de aconselhar e depende do número de  pimentos que vai usar. É essencial assegurar que a quantidade de molho preparado cubra os pimentos.
Lave os pimentos assados sob água fria e retire-lhe por completo a pele queimada. Corte-os em tiras finas e não muito longas. Vá-os introduzindo na marinada que preparou.

Servir:
A salada pode ser consumida ao fim de meia-hora de estar preparada, mas ganhará com alguma demolhação (2 a 3 horas).
Pressuponho que fabricou uma grande quantidade. A que sobrar guarde-a no frigorífico, passado um mês estará ainda em óptimas condições de consumo.
Pode consumi-la tal como está ou usá-la como ingrediente para outras saladas frescas.
Por si só, o molho é excelente como tempero de salada, como base para fazer arroz ou, juntando algumas tiras de pimento, como base de refogado para pratos de carne ou peixe.

© Fotografia: Pedro Serrano, Covas (Paredes de Coura), Junho 2007.