07 fevereiro 2014

MALANDRICES

Gosto muito de arroz de polvo, seja ele seco ou molhado, mas prefiro o molhado e, por essa razão, quando num restaurante um menu me tenta com esse prato pergunto sempre ao empregado:
“O arroz de polvo é malandro?”
“Malandro” é o termo que se usa no Norte para arroz que nos é servido a nadar em água e onde os bracinhos do polvo, apesar de mortos e amputados, ainda podem brincar a que se escondem por detrás das anémonas do tomate ou das algas da salsa e dos coentros.
Pois no outro dia, penso que foi a sul do Tejo, perguntei se o arroz era malandro e a empregada retorquiu com um:
“Como...?”
Lá lhe expliquei, e ela:
“Ah! Aqui dizemos corredio...”
Ontem, em Faro, o mesmo espanto do empregado perante pergunta idêntica.
“Se é solto”, explicava eu, “se é seco ou vem com muito molho... Como é que vocês dizem aqui?”
“Caldoso...”, respondeu o homem puxando de um sinónimo igualmente apropriado.
“Então, é isso mesmo...”, respondi eu, fechando o menu com assertividade.


Nota: Quanto ao arroz da foto (© Pedro Serrano, 2012, foto e cozinhado), é de lingueirão, mas não tinha aqui nenhum retrato de arroz de polvo à mão de semear.