16 outubro 2017

UMA MULHER ARDENTE

Ainda o dia de hoje (16 de outubro) não se pôs e já pesa no currículo da Ministra da Administração Interna a responsabilidade política por um maior número de mortos (uma centena) do que a politicamente atribuível, em 2016, aos ministros da Justiça de todos os países do mundo onde existe pena de morte, excepção feita à Arábia Saudita e ao Irão.
Constança U. Sousa pulveriza assim a contabilidade mortífera de países como o Iraque, o Egipto, o Paquistão ou mesmo os Estados Unidos da América. Apesar da triste contabilidade, a ministra já se apressou – por uma segunda vez em menos de quatro meses – a vir a público garantir que se encontra disponível e apta a abraçar todas as madonas, bombeiros e presidentes de câmara que sobrevivam às chamas nos próximos anos. Vade retro, Kalimero! Uma vez que a senhora parece não conseguir enxergar-se para além dos afectos instantâneos, seria bom que alguém a sacudisse rapidamente do torpor, pois a responsabilidade política é como as inundações – tende a subir de nível se ninguém as estancar.