23 setembro 2013

ACORDAR PARA UM SONHO


O quarto tem quatro janelas, todas dão para o lago. Aliás, se me resolvesse a saltar por qualquer uma delas cairia directamente na água, sem necessidade de impulso adicional no salto. Cenário mais veneziano é impossível imaginar.
Por isso, à noite, as cortinas que as cobrem (não há portadas ou estores) permanecem puxadas para trás e, deitado na cama, posso ver ao rés dos olhos a superfície cintilante ao luar. É reconfortante fazê-lo antes de adormecer e fascinante despertar a meio da noite e dar conta disso.
Hoje, pelas seis da manhã, acordei com a suave claridade de uma madrugada ainda tímida e, sabendo que duas horas depois a luz será brutal, levantei-me para fechar as cortinas. Eis o que, flutuando no meio das águas, estava diante dos meus olhos.
Agora é um hotel (caríssimo) da prestigiada rede indiana Taj, mas em 1741 foi construído para residência de verão do marajá local, aproveitando uma ilha do lago. É que Udaipur, no Rajastão, em pleno centro da Índia, rodeado de montanhas e com um deserto nas proximidades, pode ser um inferno de calor e nada como sofrer a canícula no meio da água.

© Fotografia de Pedro Serrano, Udaipur, Setembro 2013.