22 março 2014

TEMPO INCERTO


Na eternidade, pelas seis a.m.
Larga a barca da aurora
Com um arcanjo ao leme

Na eternidade, pelas dez da matina
Passa um rebanho de eleitos
A caminho da cantina

Na eternidade, pelas treze p.m.
Rescende a canja de galinha,
Aletria e leite creme

Na eternidade, em vaga hora
Um arcanjo em contraluz
Amarra a barca da aurora 

Na eternidade, a tempo incerto
Deu agora a meia-noite
Mas bate meio-dia certo



© Fotografia de Pedro Serrano, Janeiro 2014.