08 outubro 2011

ARRE, PORRA!


Tenho reflectido 

Um bom bocado nisso.
Os meus poemas são
Como quando
Ao martelo anseia o dedo, 
Em vez do prego.
Fechar o caderno 
Após o poema,
Esvaziar o peito 
No ocaso d'um palavrão,
São estróficas atitudes.





© Fotografia: Pedro Serrano, Torres Vedras, 2011.