10 dezembro 2012

1. DENGUE: LET'S KILL MOSQUITO TOGETHER


No Taj Mahal Palace, em Bombaim, mesmo ao lado da Gate of India, os hóspedes deixam os quartos para jantar por volta das oito da noite, razão pela qual, quando fechámos a porta do nosso, bem após as oito, já não encontrámos ninguém no belíssimo jogo de escadas que leva aos andares inferiores e à saída. Mas dizer ninguém será talvez excessivo, pois, com toda a discrição, aproveitando a hora morta, um rapazito, manejando um aparelho em tudo semelhante a um extintor de incêndio, aspergia com aplicação os rodapés do corredor e as ombreiras das portas que davam para os aposentos dos hóspedes.
Não ignorava do que se tratava, já assistira àquilo em hotéis de outras cidades indianas, mas, mesmo assim, aproximei-me e indaguei a que se destinava o que fazia.
“Pest control”, respondeu.
Esta cena passou-se no início de Fevereiro de 2012, época seca na Índia e tempo de reduzida actividade para mosquitos e outros insectos transmissores de doenças, animais sempre mais ávidos e frequentes na altura das monções, época de chuvas e calor intenso que, nos trópicos, atinge o seu auge entre Abril e Agosto de cada ano.
Aedes aegypti.
Nos primeiros dias de Novembro do mesmíssimo ano, desloquei-me à ilha da Madeira, local para onde, nos últimos 25 anos, tenho viajado a ritmo praticamente anual. Sabia que, desta vez, encontraria na ilha um surto de dengue, doença viral transmitida pela picada de um mosquito especial (o Aedes aegypti), mas não ia à espera de encontrar muita mosquitada, pois estávamos em plena estação fria e se há coisa que os mosquitos detestam é frio.
Pois muito me enganei, e dei-me conta disso mal pousei as malas no hotel da baixa do Funchal onde fiquei instalado. Em pleno dia, com as janelas fechadas, vários mosquitos tentavam passar despercebidos nas pregas dos cortinados do quarto e no tecto do armário guarda-fatos, localização (sei-o de África) onde adoram esconder-se, pois, pela escuridão e confinamento, ficam mais resguardados de ser surpreendidos por uma almofada ou pelo raio do espectro de um insecticida.
Espantado com tanto mosquito em pleno dia e algo preocupado, pois o Aedes é, ao contrário de outros mosquitos que só atacam ao anoitecer (como o que transmite a malária), um day-feeder, desci à recepção e pedi se me emprestavam um spray de insecticida para aplicar no quarto antes de sair para jantar, técnica que também aprendi a usar em África: aspergir o quarto antes de sair para, no regresso, os mosquitos estarem mortos e o aposento livre dos efeitos do veneno, que é de semivida curta, quer dizer: age de imediato e rapidamente se torna inactivo, e por isso não tóxico para humanos.
Ao pedido a senhora da recepção fez aquele ar de ‘isso é que era bom’ e respondeu:
“Não, não há cá disso. Se nem para nós temos...!”
Fiquei esclarecido, perguntei onde era o centro comercial mais perto.
Ao contrário do que sucede nos supermercados do Continente, onde produtos como insecticidas, repelentes de traças, xarope para caruncho e remédios similares, se subalternizam em corredores esconsos e em prateleiras que nos obrigam a pôr de cócoras para os encontrar, no Pingo Doce ao lado do mercado do Funchal todo este arsenal se encontrava num cruzamento entre corredores principais, bem exposto, bem iluminado, melhor publicitado e numa quantidade e variedade que fazia lembrar um paiol militar! Este foi o primeiro rumor silencioso que me alertou para que algo, com uma dimensão superior ao que parecia, se estava a passar. E o que parecia a todos, o que se fazia crer pelas notícias, pelo menos visto do quadrilátero luso, era que o que se passava na Madeira era situação sem contornos especiais, a caminho de se resolver um dia desses, não aconselhando medidas especiais nem restrições nas deslocações àquelas paragens. Ao ser aflorada a sensível questão do turismo, o contexto Madeirense era pacificamente comparado ao do Brasil ou de outros países tropicais ou subtropicais onde também havia dengue e, dizia-se, as pessoas também não deixavam de lá ir por causa disso. Toda esta paz de comportamento me surpreendia, e ver que as eventuais discussões sobre as repercussões sobre o turismo eram dadas como satisfatoriamente encerradas pela comparação com outros países parecia-me argumentação demasiado à superfície. De facto, quando faço as malas para ir para a Tanzânia sei que vou para África e o que posso esperar, quando arrasto a Sansonite para apanhar o avião para as Canárias ou para o Funchal julgo que vou para a Europa!
Entretanto, na Madeira, o segundo sinal indirecto foi-se-me entrando pelos olhos dentro ao mirar as montras das lojas dos chineses que, tal como os mosquitos, invadiram o centro da capital madeirense e tomaram conta do comércio local, mais uma semelhança com África... Na montra de cada uma destas lojas havia, pendurada em gritante evidência, uma daquelas raquetas eléctricas que, brandida como um instrumento de ping-pong ou, mesmo mais elegantemente – como um leque, carboniza os incautos animaizinhos voadores com um aprazível ruído de febra a ser afogada numas brasas.
Faltava, para a evidência se tornar completa, uma volta pelas ruas do Funchal e nunca me senti tão em África, não na África árabe do Norte (Marrocos, Tunísia...), mas na África negra, aquela onde a gente, quando se enfia no avião, já sabe que vai encontrar uma gama floreada de bicharada, potencialmente perigosa, deserta para nos sugar. No Funchal, em Novembro, vi mosquitos em todo o lado, a profusão aconselhando o evitar das esplanadas, mas mesmo dentro de estabelecimentos (à semelhança do que fazia em Angola), dei comigo a jantar com o tubo do repelente de mosquitos aberto em cima da mesa, pois os tipos detestam o cheiro daquilo (quanto mais o sabor) e, logo que o sentem, voam, amuados, para outra mesa.
“Mas o que se passou aqui?” Aquela ilha, a nossa pérola turística do tempo ameno todo o ano, não era mais a que eu me habituara a conhecer...
Isto, que conto, teve lugar há exactamente um mês e o que se sabe agora? Que o mosquito Aedes aegypti, que não existia na Madeira e para onde terá migrado (vindo possivelmente do Brasil ou da Venezuela) há meia dúzia de anos, aproveitou estes anos, em que ninguém reparou nele e lhe deu luta, para se adaptar ao local e se tornar apto a infectar humanos. Conseguido isso, num repente o pequeno surto se transformou em brutal epidemia: em dois meses 2.000 casos numa população de cerca de 250.000 habitantes. À nossa escala isso seria algo como, em cenário semelhante, termos novos 80.000 casos de dengue em Portugal.
Destes 2.000 casos confirmados, 35 são em turistas estrangeiros, ou seja, transmitidos por mosquitos madeirenses a pessoas que foram adoecer nos seus países de origem o que, divergindo das brandas palavras portuguesas sobre as implicações disto tudo, começaram já a tornar pública lá fora a opinião de que o mais sensato é evitar a Madeira como destino turístico. Na realidade, com tanta ilha no mundo onde ir passar férias, para quê pensar num fim de mundo onde nem sequer os hotéis têm uma lata de insecticida para emprestar a um hóspede com o quarto assombrado por zumbidos estranhos?

© Fotografias (excepto a do mosquito) de Pedro Serrano: (1) Bombaim, Índia, Fevereiro 2012; (2) e (3), Funchal, Novembro 2012.