03 junho 2015

NÃO VENHAS TARDE: 17. SLOW DOWN (you move too fast)

Embaixada do Irão fechada, a razão deve-se a uma espécie de feriado, não conseguimos compreender se turco ou iraniano.
Passámos pela agência de viagens, mas deparámos com evasivas quanto à partida da camioneta para Teerão – que voltássemos amanhã. Será que estamos a ser ludibriados como pensa o Des?
Confesso que já nada disso me incomoda muito: um certo medo da viagem que tinha em Portugal e não ousava confessar; os atrasos sucessivos; as embaixadas fechadas: tudo se evapora como cirros ao vento. Quero lá saber, vai-se vendo e, afinal, qual é a pressa?
O Overland to India, que continua a ser a minha leitura mais assídua, embora não passe de um canhenho sem capa de cerca de cinquenta folhas A4 fotocopiadas e dobradas ao meio; embora não seja mais do que um pasquim, preso por um único agrafe, contém informações e conselhos preciosos, quase todos baseados em cartas escritas ao editor por pessoal que fez estes caminhos e escreveu a contar. Um desses conselhos, apresentado logo nas páginas iniciais, em maiúsculas, refere que uma das primeiras regras a observar para fazer uma viagem por aqui é: slow down! O que, traduzido em miúdos e como a prática nos ensina rapidamente significa que temos de viver ao sabor do que acontece e cultivar a paciência como virtude. O teu autocarro ia partir hoje e não partiu? Não importa, talvez parta amanhã... A embaixada do Irão está fechada? Não te rales, talvez esteja aberta amanhã... Esta é a atitude, outra qualquer leva um tipo a passar-se e a desistir, a fugir.
Que foi o que aconteceu ao Des que, como referi, andava muito nervoso e inseguro com tudo. Decidiu partir, não esperar mais, nem pelos nossos vistos nem por um transporte directo para Teerão. Foi andando. Pode ser que nos voltemos a encontrar por aí. Voltámos a ficar os dois e, lá no fundo, sinto-me aliviado.
Entretivemos o fim da manhã e parte da tarde no nosso café do costume, o sucessor do nosso poiso em Atenas, onde os clientes do costume nos fazem o aceno do costume. O Rui lançou o I Ching sobre a pergunta “Como se resolverão as actuais dificuldades e como prosseguirá a viagem?”. Tilintando e rodopiando no mármore antes de tombar, as moedas desenharam os hexagramas 39 e 61: 39 (Chien) Os obstáculos e 61 (Chung Fu) A Verdade Interior. 
Ao anoitecer, quando saíamos do Lâle Pudding Shop para dar uma volta no jardim do lado de lá da avenida encontrámos parte dos companheiros da camioneta Atenas-Istambul, os nossos benfeitores: iam a caminho da Mesquita Azul ver um espectáculo de son et lumière. Fomos também, conversando e rindo como velhos amigos que decidiram sair à noite. A lua, em forma de crescente, posicionava-se exactamente sobre a cúpula, equidistante aos seis minaretes que, cinzelados na elegância de torres de castelo de conto de fadas, apontavam o céu como velas esperando ser acesas pela varinha mágica da Sininho. Depois, enquanto Vénus cintilava no azul-negro como um pirilampo, a voz amplificada do Sultão fez-se ouvir em colóquio com o Vizir; deste com o Arquitecto e deste com o Mestre-pedreiro e, agora numa apoteose de luzes e coros, soa no ar o recitativo emocionado do Sultão, senhor do Islão, quando, em 1600 e pouco, viu tudo aquilo construído. 

Nota: "Slow down, you move too fast", da canção "The 59th Street Bridge Song", de Simon & Garfunkel, álbum Parsley, Sage, Rosemary and Thyme, 1966.